Nova edição da revista UFSC Ciência é lançada no aniversário de 57 anos da Universidade

20/12/2017 11:12

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) lança, em seu aniversário de 57 anos, a segunda edição da revista UFSC Ciência. A publicação é produzida pela equipe da Agência de Comunicação (Agecom) com o objetivo de promover a divulgação científica e dar visibilidade às pesquisas que vêm sendo desenvolvidas na universidade. A revista pode ser acessada online e também estará disponível em versão impressa.

A nova edição apresenta algumas mudanças em relação ao projeto gráfico original, desenvolvido por Airton Jordani. Todas as modificações foram elaboradas pelo estagiário Rafael Leme Carvalho, do curso de Design Gráfico, sob a supervisão de Audrey Schmitz. “Tentamos deixar o projeto mais dinâmico, para termos mais possibilidades de composição. O layout de cada página está mais flexível, as colunas e o tamanho das fotos variam. Quando se pensa em revista científica, logo se imagina aqueles textos enormes, com poucas imagens. Nesse caso é diferente. Procuramos valorizar as imagens para tornar o conhecimento científico mais interessante e atrativo para o público em geral”, explica Audrey.

Artemio Reinaldo de Souza, diretor da Agecom, ressalta a importância da revista como espaço de difusão do jornalismo científico. “A UFSC Ciência fortalece a relação entre jornalistas e pesquisadores na universidade, contribuindo para a exposição e transparência no uso de recursos públicos. É uma forma de prestar contas da nossa produção científica para a sociedade. A revista é não apenas importante, como é necessária. É fundamental propagarmos a prática da divulgação científica.”

A nova edição da revista está em fase de produção na Imprensa Universitária, órgão que atende as demandas de impressão dos diversos setores da Universidade. A Imprensa também edita trabalhos de pesquisa e obras originais de estudantes, técnicos-administrativos e professores.

A UFSC Ciência está disponível aqui.

(Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC)

Projeto da UFSC Blumenau revela talentos e incentiva estudo da Matemática no ensino básico

08/12/2017 17:58

Professora Louise Reips com alunos na premiação nacional da OBMEP 2017

Os conceitos matemáticos podem ser vistos como códigos indecifráveis ou como senhas que abrem novas portas e guardam inúmeras possibilidades. Tudo dependerá da abordagem e da aproximação que a pessoa terá com esse universo.

Infelizmente essa relação dos alunos brasileiros com a Matemática ainda não é das mais amigáveis. O panorama no Ensino Básico segue longe do ideal: segundo relatório do movimento Todos Pela Educação, divulgado em janeiro deste ano, ao deixar a escola apenas 7,3% dos estudantes atingem níveis satisfatórios de aprendizado em Matemática. Se considerarmos somente as escolas públicas o percentual é ainda menor, apenas 3,6% têm aprendizado adequado, o que significa que 96,4% saem da escola sem saber o que é esperado.

Premiação da OBMEP 2017

Despontando como uma alternativa a esse quadro o professor Felipe Vieira coordena, desde 2014, no campus Blumenau da UFSC, o projeto de Treinamento Para as Olimpíadas de Matemática, do qual participam outros sete docentes, além de três graduandas do curso de Licenciatura em Matemática como tutoras. A iniciativa tem três objetivos principais: conseguir um melhor rendimento dos estudantes do Vale do Itajaí nas diversas Olimpíadas de Matemática (ORM, OBM, OBMEP); tornar a UFSC um polo de aplicação de provas, evitando que os alunos da região precisem se deslocar até Florianópolis; e buscar novos talentos.

“Neste ano tivemos um total de 230 presenças nas 10 semanas de treinamentos, com um total de 87 visitantes únicos nos níveis mirim, 1, 2, 3 e universitário. E os resultados são animadores” afirma Vieira. Dos 87 participantes, na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e Olimpíada Regional de Matemática (ORM), 20 foram premiados.

Junto com Vieira, a professora Louise Reips coordena outros três programas associados à OBMEP - Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC), Programa Mentores e o OBMEP na Escola. Este último foca na capacitação de docentes, em toda Santa Catarina, para o treinamento dos alunos nas próprias escolas. Para isso os professores da educação básica participaram de encontros de formação aos sábados, na UFSC Blumenau.

O Programa de Iniciação Científica Jr. visa transmitir aos alunos a cultura Matemática básica e treiná-los no rigor da leitura e da escrita de resultados, nas técnicas e métodos, na independência do raciocínio analítico, entre outros. Com isso, pretende-se despertar a vocação científica do estudante, além de estimular a criatividade por meio do confronto com problemas da área.

O PIC subdivide-se em três níveis. Os estudantes de primeiro nível praticam virtualmente, a distância, por meio de uma plataforma online. Os alunos do Nível II participam presencialmente, em encontros quinzenais orientados pelos professores de graduação da UFSC, Felipe Vieira e Rafael Aleixo de Carvalho – em 2017, foram treze estudantes na turma. Já os treinamentos do Nível III são ministrados no IFSC Gaspar, pelo professor Carlos Eduardo Vitória da Silva.

A coordenação estadual da OBMEP está sob responsabilidade do professor Licio H Bezerra, do Departamento de Matemática da UFSC Florianópolis.

Medalhistas - região Vale do Itajaí
Henrique Cuco – Medalha de Ouro OBMEP 2016 (PIC – Nível II)

Paulo Arthur S Von Knoblanuch - Medalha de Ouro OBMEP 2016 (PIC – Nível II)

Tatiana Pasold – Medalha de Ouro OBMEP 2016 e Prata OBMEP 2017 (PIC – Nível II)

Guilherme Scheidt - Medalha de Bronze OBMEP 2017 (PIC – Nível II)

Daniel Feuser - Medalha de Prata OBMEP 2017 (PIC – Nível II)

Paulo Arthur S Von Knoblanuch - Medalha de Bronze OBMEP 2017 (PIC – Nível II)

Nicole Cristine Schwaemmle - Medalha de Bronze OBMEP 2017 (PIC – Nível II)

Vinicius Hedler - Medalha de Ouro OBMEP 2016 e Bronze OBEMP 2017 (PIC – Nível III)

Petterson Matheus de Souza – Medalha de Bronze OBMEP 2016 (PIC – Nível III)

Lorenzo Andreaus – Medalha de Ouro OBMEP 2016 e 2017 (Programa Mentores)

Silvio Sandri Junior – Medalha de Prata OBMEP 2017 (Programa Mentores)

Martin participa de disciplinas regulares na graduação e de iniciação científica na UFSC Blumenau

Do ensino fundamental à universidade pela Matemática

Com 15 anos a maioria dos adolescentes começa a delinear os primeiros planos para escolher uma profissão, ainda que de maneira tímida e experimental. Porém, para o blumenauense Martin Baraldi Lobe o ingresso nas cadeiras universitárias iniciou ainda no ensino fundamental.

Descoberto durante os Treinamentos para as Olimpíadas de Matemática, o estudante do 9º ano do Colégio Sagrada Família - medalhista na Olimpíada Regional de Matemática no 6º e 7º ano e ouro na OBMEP 2017 - já obteve aprovação, com sucesso, em três disciplinas da graduação em Licenciatura em Matemática - Fundamentos de Matemática, Introdução ao Cálculo e Álgebra I. Ele cursa as matérias isoladamente na UFSC, com um aproveitamento que tem surpreendido colegas e professores.

“Eu comecei os treinamentos no início de 2016. Aí os professores viram meu desempenho e começaram a se interessar. Foi então que o Luiz Rafael (professor da UFSC e tutor nos treinamentos) deu a ideia de eu fazer as disciplinas regulares da graduação como aluno ouvinte”, explicou Martin. Uma consulta aos pais foi feita, previamente, para melhor orientação do estudante.

Além das aulas, o mais jovem “graduando” da UFSC também trilha os primeiros passos na iniciação científica como voluntário em projeto de pesquisa intitulado Introdução à Análise, orientado pelo Prof. Luiz Rafael dos Santos. “O principal objetivo é fazer com que Martin explore e desenvolva cada vez mais sua capacidade de abstração e de identificação de padrões, bem como permita que ele apreenda o formalismo matemático necessário para futuros estudos”, explica o docente. Quando questionado sobre esse novo desafio, Martin demonstra animação: “Eu acho bem legal, porque já posso ir me acostumando a uma Matemática mais avançada. Gosto muito dessa ideia, de como vou ter sempre um caminho melhor a seguir”. E a proposta é seguir mesmo, como Matemático profissional, até a conclusão do doutorado.

Nessa ponte entre universidade e ensino básico, Martin diz ter notado uma melhora no desempenho dos colegas de colégio que também participaram dos treinamentos. Segundo ele, nas conversas entre amigos, os estudantes acharam mais fácil encarar as provas nas competições após frequentarem as tutorias na UFSC.

Enquanto a matrícula regular na Universidade não chega, Martin cursará o ensino médio no Instituto Federal Catarinense (IFC Blumenau). A confirmação da aprovação veio no dia 07/12, em segundo lugar. Quanto ao gosto pelos números, bom, esse parece que vai prevalecer até a escolha do vestibular. “Gosto da Matemática porque é como uma escada que eu posso visualizar que há, sempre, um degrau a mais para subir”, diz, reflexivo. No que depender de um “empurrãozinho” extra dos colegas e professores para escalada acima, o topo já está ao alcance.

(Comunicação UFSC Blumenau)

-----

Referências:

ANDIFES divulga nota sobre ação da polícia federal na UFMG

07/12/2017 18:47

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) divulgou, nesta quarta-feira (06/12), nota se manifestando em relação à ação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Leia a íntegra abaixo:

---

NOTA OFICIAL

MEMÓRIA DA DITADURA

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), em nome dos (as) sessenta e três reitores (as) das Universidades Federais brasileiras, vem, mais uma vez, manifestar a sua indignação com a violência, determinada por autoridades e praticada pela Polícia Federal, ao conduzir coercitivamente gestores (as), ex-gestores (as) e docentes da Universidade Federal de Minas Gerais, em uma operação que apura supostos desvios na construção do Memorial da Anistia.

É notória a ilegalidade da medida, que repete práticas de um Estado policial, como se passou com a prisão injustificada do Reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, da Universidade Federal de Santa Catarina, há pouco mais de dois meses. Apenas o desprezo pela lei e a intenção política de calar as Universidades, lócus do pensamento crítico e da promoção da cidadania, podem justificar a opção de conduzir coercitivamente, no lugar de simplesmente intimar para prestar as informações eventualmente necessárias. Ações espetaculosas, motivadas ideologicamente e nomeadas com ironia para demonstrar o desprezo por valores humanistas, não ajudam a combater a real corrupção do País, nem contribuem para a edificação de uma sociedade democrática.

É sintomático que este caso grotesco de abuso de poder tenha como pretexto averiguar irregularidades na execução do projeto Memorial da Anistia do Brasil, que tem, como uma de suas finalidades, justamente preservar, em benefício das gerações atuais e futuras, a lembrança de um período lamentável da nossa história. Na ditadura, é bom lembrar, o arbítrio e o abuso de autoridade eram, também, práticas correntes e justificadas com argumentos estapafúrdios.

As Universidades Federais conclamam o Congresso Nacional a produzir, com rapidez, uma lei que coíba e penalize o abuso de autoridade. E exigem que os titulares do Conselho Nacional de Justiça, da Procuradoria Geral da República, do Ministério da Justiça e do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria da União intimem seus subordinados a balizarem as suas atividades pelos preceitos constitucionais, especialmente quanto ao respeito aos direitos individuais e às instituições da República. A sociedade não pode ficar sob ameaça de centuriões.

A Andifes, as reitoras e os reitores das Universidades Federais solidarizam-se com a comunidade da Universidade Federal de Minas Gerais, com seus gestores, ex-reitores e com seus servidores, ao mesmo tempo em que conclamam toda a sociedade a reagir às violências repetidamente praticadas por órgãos e indivíduos que têm por obrigação respeitar a lei e o Estado Democrático de Direito. As Universidades Federais, reiteramos, são patrimônio da sociedade brasileira e não cessarão a sua luta contra o obscurantismo no Brasil.

Brasília, 06 de dezembro de 2017.

(Fonte: ANDIFES)

Horário de Verão 2017 / 2018

07/12/2017 15:58

O REITOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE:

PORTARIA NORMATIVA Nº 104/2017/GR DE 29 DE NOVEMBRO DE 2017

Dispõe sobre o horário de verão em 2017/2018 dos servidores docentes e técnico-administrativos da UFSC.

Nº 104/2017/GR - Art. 1º Fica estabelecido, entre os dias 12 de dezembro de 2017 e 16 de fevereiro de 2018, o horário de verão dos servidores docentes e técnico-administrativos da Universidade Federal de Santa Catarina.

Art. 2º No período a que se refere o art. 1º, o expediente será feito no turno matutino, no horário das 7h30min às 13h30min.

Parágrafo único. Em casos excepcionais, devidamente justificados, a direção da unidade pode autorizar a realização de atividades institucionais fora do horário estabelecido.

Art. 3º As horas faltantes para o cumprimento integral da jornada de trabalho nesse período deverão ser compensadas durante o ano de 2018.

Art. 4º Nos setores onde houver a prestação de serviços essenciais à comunidade, o expediente deverá ser mantido.

(Fonte: Gabinete da Reitoria)