UFSC Blumenau participa da semana Fashion Revolution Brasil 2020

22/04/2020 18:42

O Campus Blumenau da UFSC está engajado na realização da semana Fashion Revolution 2020, movimento global em prol de uma moda mais limpa, justa e transparente. O evento tem como principais objetivos conscientizar sobre os impactos socioambientais do setor, celebrar as pessoas que estão por trás das roupas, incentivar a transparência e fomentar a sustentabilidade.

Em 2020, em razão da pandemia de Covid-19, as ações serão realizadas inteiramente de forma digital, entre os dias 20 e 26 de abril. Com foco na região de Blumenau, são três talks previstos para os dias 23, 24 e 25/4. A programação completa pode ser vista no site www.semanafashionrevolution.com.br e no destaque dos stories do perfil @fash_rev_brasil no Instagram.

Confira abaixo as atividades promovidas pela UFSC Blumenau

Sobre o Fashion Revolution

A Semana Fashion Revolution acontece no Brasil e no mundo em memória às vítimas do desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh, no dia 24 de abril de 2013. Desde então, no mês de abril, milhares de pessoas questionam empresas da indústria da moda #QuemFezMinhasRoupas, com a intenção de visibilizar trabalhadores e exigir do setor mais transparência e ética em suas atividades. Em 2020, a campanha conta com uma programação online de conversas com cerca de 60 profissionais da área: pesquisadores, educadores, trabalhadores da cadeia produtiva, criativos, agências de tendências, ONGs, imigrantes, políticos, ambientalistas e cooperativas de periferias.

(Camila Collato/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau, com informações Fashion Revolution)

Tags: Engenharia TêxtilFashion Revolution BrasilmodasustentabilidadeUFSC Blumenau

Projeto da UFSC Blumenau é semifinalista do Prêmio Brasil Criativo

01/11/2019 16:29

Jaqueta com dispositivo acoplado no interior envia mensagem a aplicativo no caso de quedas e permite o monitoramento por parte de amigos e familiares.

(Atualizada em 08/11/2019, às 11h22min)

O projeto Tecnologias assistivas aplicadas ao vestuário coordenado pela professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar, do curso de Engenharia Têxtil da UFSC Blumenau, está entre os semifinalistas da categoria Design do Prêmio Brasil Criativo. A equipe é composta pela acadêmica Fabieli Breier do curso de Engenharia Têxtil, pelo acadêmico Christian Mailer, do curso de Engenharia de Controle e Automação e pelo professor Leonardo Mejia Rincon, do Departamento de Engenharia de Controle, Automação e Computação (CAC/UFSC/BNU) .

Em parceria com a Associação Blumenauense de Deficientes Físicos (Abludef), a equipe desenvolveu três modelos de roupas que, além de inclusivos, promovem a saúde e o bem-estar. As peças, pensadas para auxiliar pessoas com deficiência física, contam com uma tecnologia exclusiva no tecido que permite melhorar a circulação sanguínea e possuem sensores acoplados para a prevenção de acidentes - saiba mais aqui.

O Prêmio Brasil Criativo é promovido pelo Ministério da Cidadania e 3M e chega a sua 3ª edição em 2019 como propósito de valorizar atitudes criativas. Consolidado como a Premiação Oficial da Economia Criativa, os principais objetivos do Prêmio são: revelar, valorizar e preservar a diversidade criativa do povo brasileiro; reconhecer ações inovadoras do empreendedorismo criativo no país e fortalecer as políticas de economia criativa no Brasil e fomentar a rede de empreendedores que fazem parte desse setor.

--

Erramos

O projeto encontra-se entre os semifinalistas da competição na categoria "Design" e não como finalista, conforme divulgado no dia 1º de novembro. A divulgação dos finalistas será realizada no dia 8 de novembro.

 

(Camila Collato/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau, com informações Prêmio Brasil Criativo)

 

Tags: acessibilidadedesignengenhariainclusãomodaprêmiotextil

UFSC Blumenau participa da Semana Fashion Revolution Brasil

22/04/2019 18:07

(Atualizado em 23/04/2019, às 10h01min)

De 22 a 28 de abril diversas cidades do Brasil estarão engajadas na Semana Fashion Revolution Brasil, movimento que há 5 anos promove - por meio de eventos,  ações, rodas de conversa, exibições de filmes e workshops - a mudança de mentalidade e comportamento em consumidores, empresas e profissionais da moda. O movimento foi criado após um conselho global de profissionais da moda se sensibilizar com o desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh, que causou a morte de 1.134 trabalhadores da indústria de confecção e deixou mais de 2.500 feridos. A tragédia aconteceu no dia 24 de abril de 2013, e as vítimas trabalhavam para marcas globais, em condições análogas à escravidão.

A campanha #QuemFezMinhasRoupas surgiu para aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto no mundo, em todas as fases do processo de produção e consumo. Realizado inicialmente no dia 24 de abril, o Fashion Revolution Day ganhou força e hoje tornou-se a Fashion Revolution Week, que conta com atividades promovidas por núcleos voluntários, em mais de 100 países.

Em Blumenau e região, importante polo de produção têxtil, a Universidade Federal de Santa Catarina, a Fundação Universidade Regional de Blumenau (Furb), o Instituto Federal de Santa Catarina  - Campus Gaspar (IFSC), Uniasselvi e o Senai/Blumenau concentram as ações, que incluem uma instalação da artista plástica Maria Carmen Von Linsingen elaborada a partir de resíduos têxteis, cinedebate com documentários que abordam a temática do trabalho escravo no setor, talks sobre sustentabilidade, acessibilidade  e gênero na moda, oficinas e exposições.

Ainda na proposta do Fashion Revolution está sendo realizada uma arrecadação para um brechó beneficente em parceria com a Associação de Cegos do Vale do Itajaí (ACEVALI). As caixas de coleta estão posicionadas na entrada do hall do bloco A da sede Acadêmica. Para doar, basta que a peça esteja limpa e em bom estado de conservação.

---

Veja a programação da Semana Fashion Revolution

Programação UFSC Blumenau

Exposição "Noscasulos" fica aberta ao público até 10 de maio

22.04 (segunda-feira)

18h - Instalação Artística Noscasulos, com Maria Carmen Von Linsingen - Auditório UFSC Blumenau. Até 10 de maio de 2019.

Minicurrículo: Maria Carme Von Linsingen nasceu em Florianópolis-SC e formou-se em Educação Artística pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em 1976. Iniciou suas atividades profissionais em tecelagem em 1990 e atualmente vive e trabalha em Blumenau, local onde desenvolve o trabalho de pesquisa com resíduos têxteis da região.

--

23.04 (terça-feira)

08h - Instalação que reflete sobre os temas igualdade de gênero, trabalho justo e proteção ambiental. Instalação criada por alunos do curso de Engenharia Têxtil em parceria com alunos do curso de Engenharia de Controle e Automação.

--

25.04 (quinta-feira)

18h - Cine Debate, documentário The True Cost, com Marilise Sayão, Francisco Claudivan, Renata Orlandi, Rosenei Zanchett e Leandro de Oliveira - Auditório da UFSC Campus Blumenau.

Inscrição

Participantes da mesa

Francisco Claudivan Silva: Engenheiro Têxtil formado em 2005 pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, mestre e doutor em Engenharia Mecânica pela UFRN. Professor adjunto do curso de Engenharia Têxtil da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, campus Blumenau. Tem experiência na área gestão da produção fabril e comercial têxtil, gestão de qualidade com a utilização das ferramentas da qualidade para melhorias de processos, probabilidade e estatística com ênfase em Controle Estatístico de Processo (CEP) produtivo.

Marilise Luiza Martins dos Reis Sayão: Graduação em Ciências Sociais. Mestrado e Doutorado em Sociologia Política. Professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, campus Blumenau. Atualmente coordena o Laboratório de Ciência, Tecnologia e Inovação - LabCTI - UFSC/Blumenau. Tem experiência nas áreas de Sociologia, Antropologia e Ciência Política, com ênfase em Sociologia Política e Movimentos Sociais e em Estudos Sociais em Ciência e Tecnologia.

Renata Orlandi: Possui graduação, mestrado e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Carina e pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Autônoma de Barcelona. Professora adjunta da Universidade Federal de Santa Catarina, campus Blumenau. Tem experiência na área de Psicologia, em ênfase em Psicologia Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação sexual e direitos humanos.

Rosenei Terezinha Zanchett: Mestra em Design Profissional pela Univille- SC. Consultora em Design Estratégico pela Politecnico di Milano – Itália (IT). Atua há mais de 15 anos como professora, pesquisadora, consultora e palestrante em Desenvolvimento de Produtos, Processo Criativo, Design Estratégico, Comportamento de Consumo e Pesquisa em Tendência de Moda.Atende empresas na área de Moda como: Parigi Confecções, C&A, , Riachuelo, Pernambucanas, Marisa, Extra, Zinzane, Hering, Petrobras, Rovitex, Dmenor Jean, Mensageiro dos Sonhos, Boutique dos Jalecos e Contramão Calçados.

Leandro Luiz Costa de Oliveira: Auditor Fiscal do Trabalho desde 2007. Bacharel em Direito - Universidade Mackenzie. Engenharia Produção - Poli-USP. Atualmente trabalha com Saúde e Segurança do Trabalhador - GRT/Blumenau.

--

Arrecadação para o Brechó da ACEVALI

Até 26 de abril, no hall de entrada no bloco A, sede Acadêmica - UFSC Blumenau.


Programação Senai, Fundação Hering e visitações

22.04 (segunda-feira)

18h - Abertura da Exposição Tingimento Natural e Ecoprint de Marion Rupp e Flavio Hach - Fashion LAB1 Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

19h - Bate Papo: Figurino x Moda _ Ressignificando com Vanessa Neuber - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

--

24.04 (quarta-feira)

18h45 - Talk: O que pode ser considerado um trabalho justo e decente? - Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

--

25.04 (quinta-feira)

18h30 - Visita a Fábrica da Círculo e Bate Papo: Fashion Handmade com Junior Oliveira, Rodrigo Zen e Marcelo Detzel - Círculo S/A (Dr. Nereu Ramos, 360 - Coloninha, Gaspar - SC)

19h - Talk: Cadeia da Moda, com Pedro Schmitt - Fundação Hering (R. Hermann Hering, 1740 - Bom Retiro, Blumenau - SC)

20h - Talk: Empreendedorismo Consciente, com Tiago G. C. Dos Santos - Fundação Hering (R. Hermann Hering, 1740 - Bom Retiro, Blumenau - SC)

19h - Oficina de Transformação Criativa de Roupas, com Catia Regina e Karine Fonseca Buzzi - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

--

27.04 (sábado)

10h - Troca-Troca Afetivo - Fundação Hering (R. Hermann Hering, 1740 - Bom Retiro, Blumenau - SC)

--

28.04 (domingo)

9h - Oficina de Papel Artesanal Artístico, com Nelson Julio - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

9h - Oficina de Biotintas (para crianças), com Bruna Neves - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

14h - Abertura com coletivo Fashion Revolution Blumenau - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

14h30 - Talk: Exposições Tingimento Natural e Ecoprint, com Marion Rupp e Flavio Hach - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

15h30 - Talk: Diversidade e Gênero na Moda - O Corpo Político, com Nina Florsz Alice Alves Lucas Buss Lua Geiss - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

16h30 - Talk: Moda como Transformação Social, com Greice Simas Gabriela Lenzi Augusto De Paula Simone Passarin - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)

17h30 - Talk: Moda Inclusiva, Tecnologias Vestíveis e Tecnologias Assistidas, com Grazyella Aguiar Fabieli Breier e Christian Mailer - Fashion LAB Senai Blumenau (R. São Paulo, 1.147 - Victor Konder, Blumenau - SC)


Programação IFSC Gaspar

23.04 (terça-feira)

18h30 - Abertura da exposição Moda Sustentabilidade e Arte, com Ricardo dos Santos - IFSC Gaspar (R. Adriano Korman, 510 - Bela Vista, Gaspar - SC)

19h - Talk: Desafios das sobras na Indústria Têxtil, com Ana Siebert da Fundação Hering - IFSC Gaspar (R. Adriano Korman, 510 - Bela Vista, Gaspar - SC)

19h - Cine The True Cost - IFSC Gaspar (R. Adriano Korman, 510 - Bela Vista, Gaspar - SC)

25.04 (quinta-feira)

18h30 - Oficina Bordado Manual, com Maria Luiza Fonseca - IFSC Gaspar (R. Adriano Korman, 510 - Bela Vista, Gaspar - SC) - Inscrição

18h30 - Oficina de Macramê, com Ediane Zanetti - IFSC Gaspar (R. Adriano Korman, 510 - Bela Vista, Gaspar - SC) - Inscrição

 

(Fonte: Fashion Revolution Brasil, com informações Grazyella de Aguiar)

Tags: engenhariamodaresponsabilidade socialsustentabilidadetextil

“Quem fez minhas roupas?” Campanha arrecada doações para brechó da ACEVALI

11/04/2019 14:28

Sabe aquela roupa, em bom estado, que você não usa mais e gostaria de doar, mas não sabe como? Aquela peça que está fora de moda, ou encostada, ocupando espaço no seu guarda-roupas? Então, essa única peça ou várias outras podem ser doadas!

A turma da disciplina Introdução ao Design e Moda (PIDRIS), do curso de Engenharia Têxtil da UFSC, está desenvolvendo um projeto em parceria com o brechó da Associação dos Cegos do Vale do Itajaí (Acevali). As peças arrecadadas mediante doação serão customizadas e vendidas no brechó, com o objetivo de arrecadar fundos para a instituição.

Vamos fazer a diferença e participar desta campanha! Para doar é muito simples:

  1. Separe as peças, em bom estado de conservação, que você não usa mais;
  2. Lave as peças;
  3. Deixe essas peças no posto de coleta – caixa de papelão sinalizada no hall de entrada do bloco A, sede acadêmica, até o dia 26 de abril.

Esse ano a turma está unindo forças com os integrantes do movimento Fashion Revolution do Brasil para bater a meta de arrecadação dos anos anteriores. O movimento Fashion Revolution tem como objetivo conscientizar sobre os impactos socioambientais do setor têxtil, de confecção e moda, incentivar a transparência e fomentar a sustentabilidade. O movimento foi criado após um conselho global de profissionais da moda se sensibilizar com o desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh, que causou a morte de 1.134 trabalhadores da indústria de confecção e deixou mais de 2.500 feridos. A tragédia aconteceu no dia 24 de abril de 2013, e as vítimas trabalhavam para marcas globais, em condições análogas à escravidão.

Mostre que você está na moda e tem um guarda-roupa consciente deixando no seu armário peças que você realmente usa!

(Informações Grazyella Aguiar, com Fashion Revolution Brazil)

Tags: Extensãomodaresponsabilidadesocialsustentabilidadetextil

Estudante de Engenharia Têxtil desenvolve roupas inclusivas e que trazem benefícios à saúde

04/01/2019 12:12

Coleção foi apresentada no 6º Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva

(Atualizado em 11/01/2019, às 08h47min)

Fabieli Diones Breier desenvolveu looks com sensores e tecnologias exclusivas aplicadas ao tecido

Fabieli Diones Breier, acadêmica do curso de Engenharia Têxtil da UFSC Blumenau e bacharel em Design de Moda, coproduziu com a Associação Blumenauense de Deficientes Físicos (ABLUDEF), três looks que além de inclusivos promovem a saúde e o bem-estar. As peças, pensadas para auxiliar pessoas com deficiência física, contam com uma tecnologia exclusiva no tecido que permite melhorar a circulação sanguínea e possuem sensores acoplados para a prevenção de acidentes.

Utilizando premissas do Desenho Universal, os produtos são passíveis de serem utilizados por todas as pessoas, independentemente de possuírem alguma deficiência. Para tanto, os decotes das blusas são mais abertos e possuem a mesma altura tanto na frente, quanto nas costas, as costuras das peças possuem acabamento limpo, diminuindo o desconforto ao contato com a pele e as calças possuem elástico no cós e passantes nas laterais para facilitar o vestir.

As peças confeccionadas com tecidos doados pela Invel Roupas Medicinais comportam uma tecnologia exclusiva patenteada da Biocerâmica® MIG3®, irradiadora de infravermelho. Essa inovação estimula a produção de óxido nítrico (NO), gás solúvel que possui propriedades vasodilatadoras e broncodilatadoras quando em interação com o organismo. Isso proporciona uma melhor circulação sanguínea, trazendo benefícios para saúde do usuário.

Dispositivo é acoplado ao forro da jaqueta

O item-chave da coleção é uma jaqueta que combina o tecido terapêutico e a aplicação de dispositivos eletrônicos inseridos na parte frontal e dentro do forro, criados para detectar a queda do usuário. Os sensores, conectados a uma bateria de celular portátil e ligado à rede wi-fi, foram incorporados após pesquisa realizada com os associados da ABLUDEF que demonstrou a constância do número de quedas. “Alguns deles moram sozinhos e possuem dificuldades para se levantar depois de um incidente. Pensando nisso, a jaqueta foi criada para auxiliar não apenas pessoas que possuam algum tipo de deficiência, mas também para aquelas com alguma doença como Alzheimer, Parkinson, doenças degenerativas ou epilepsia, por exemplo”, explica a professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar, orientadora da estudante.

Notificação é enviada por aplicativo e garante rápido atendimento

Um dos aparelhos eletrônicos portáteis inseridos na jaqueta é um acelerômetro, responsável por detectar a precisão da queda em movimento. Ao cair, a jaqueta emite uma notificação pelo celular, por meio de um aplicativo. Parentes ou amigos próximos receberão uma mensagem e poderão ligar para a pessoa para ver se ela precisa de ajuda.

Os idosos também são um público relevante. Estimativas do Ministério da Saúde apontam uma queda para um em cada três indivíduos com mais de 65 anos, por ano, no Brasil. Um entre vinte daqueles que sofrem quedas apresentam fraturas ou necessitam de internação. Dentre a população com 80 anos ou mais, 40% caem a cada ano. Para aqueles que moram em asilos e casas de repouso, a frequência de quedas é de 50%. A jaqueta torna-se assim uma aliada no atendimento a estes incidentes.

Trabalho em equipe – Para o desenvolvimento das peças, Fabieli Breier teve orientação técnica da professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar, coordenadora do projeto de pesquisa “A moda é para todos: estudo dos princípios do Desenho Universal aplicados ao vestuário”.

A estudante contou ainda com o apoio e orientação quanto à parte tecnológica do professor do curso de Engenharia de Controle e Automação da UFSC Blumenau, Leonardo Mejia Rincon, e do acadêmico Christian Mailer, que aplicou sucessivos testes para verificar a viabilidade e a confiabilidade da tecnologia, montou os dispositivos eletrônicos, executou a programação e elaborou o layout do aplicativo.

Fusão entre tecnologia e arte – O público pode prestigiar o resultado de todo esse trabalho durante o desfile do Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva. Fabieli participou da sexta edição do evento, realizada no dia 28 de novembro de 2018, em Florianópolis-SC.

Quanto à linguagem estética, a coleção inclusiva foi inspirada nas obras de Gonçalo Borges e na tendência artsy de inverno 2019, que faz alusão à comunicação de diferentes artes visuais e diversas obras de artistas. Gonçalo é professor, palestrante e artista visual inclusivo. Pinta suas obras com a boca e com os pés. Atualmente é membro da Associação de Pintores de Bocas e Pés (APBP).

A tela “Minha Palhaça”, pintada com a boca pelo artista, foi uma das escolhidas para a coleção. A imagem foi estampada em um colete e transpassa um ar jovial ao utilizar a peça, transmitidas pelas cores vibrantes presentes na obra. Outra tela utilizada foi “Palhaças”, que representa o afeto entre mãe e filha.

Veja como funciona o dispositivo 

Galeria

(Camila Collato/COMICOM UFSC Blumenau, com informações e fotos Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar)

Tags: artedeficiênciadesignengenhariaidososinclusãomodaprevençãosaúdetecnologiatextil
  • Página 1 de 2
  • 1
  • 2