Estudante de Engenharia Têxtil desenvolve roupas inclusivas e que trazem benefícios à saúde

04/01/2019 12:12

Coleção foi apresentada no 6º Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva

(Atualizado em 11/01/2019, às 08h47min)

Fabieli Diones Breier desenvolveu looks com sensores e tecnologias exclusivas aplicadas ao tecido

Fabieli Diones Breier, acadêmica do curso de Engenharia Têxtil da UFSC Blumenau e bacharel em Design de Moda, coproduziu com a Associação Blumenauense de Deficientes Físicos (ABLUDEF), três looks que além de inclusivos promovem a saúde e o bem-estar. As peças, pensadas para auxiliar pessoas com deficiência física, contam com uma tecnologia exclusiva no tecido que permite melhorar a circulação sanguínea e possuem sensores acoplados para a prevenção de acidentes.

Utilizando premissas do Desenho Universal, os produtos são passíveis de serem utilizados por todas as pessoas, independentemente de possuírem alguma deficiência. Para tanto, os decotes das blusas são mais abertos e possuem a mesma altura tanto na frente, quanto nas costas, as costuras das peças possuem acabamento limpo, diminuindo o desconforto ao contato com a pele e as calças possuem elástico no cós e passantes nas laterais para facilitar o vestir.

As peças confeccionadas com tecidos doados pela Invel Roupas Medicinais comportam uma tecnologia exclusiva patenteada da Biocerâmica® MIG3®, irradiadora de infravermelho. Essa inovação estimula a produção de óxido nítrico (NO), gás solúvel que possui propriedades vasodilatadoras e broncodilatadoras quando em interação com o organismo. Isso proporciona uma melhor circulação sanguínea, trazendo benefícios para saúde do usuário.

Dispositivo é acoplado ao forro da jaqueta

O item-chave da coleção é uma jaqueta que combina o tecido terapêutico e a aplicação de dispositivos eletrônicos inseridos na parte frontal e dentro do forro, criados para detectar a queda do usuário. Os sensores, conectados a uma bateria de celular portátil e ligado à rede wi-fi, foram incorporados após pesquisa realizada com os associados da ABLUDEF que demonstrou a constância do número de quedas. “Alguns deles moram sozinhos e possuem dificuldades para se levantar depois de um incidente. Pensando nisso, a jaqueta foi criada para auxiliar não apenas pessoas que possuam algum tipo de deficiência, mas também para aquelas com alguma doença como Alzheimer, Parkinson, doenças degenerativas ou epilepsia, por exemplo”, explica a professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar, orientadora da estudante.

Notificação é enviada por aplicativo e garante rápido atendimento

Um dos aparelhos eletrônicos portáteis inseridos na jaqueta é um acelerômetro, responsável por detectar a precisão da queda em movimento. Ao cair, a jaqueta emite uma notificação pelo celular, por meio de um aplicativo. Parentes ou amigos próximos receberão uma mensagem e poderão ligar para a pessoa para ver se ela precisa de ajuda.

Os idosos também são um público relevante. Estimativas do Ministério da Saúde apontam uma queda para um em cada três indivíduos com mais de 65 anos, por ano, no Brasil. Um entre vinte daqueles que sofrem quedas apresentam fraturas ou necessitam de internação. Dentre a população com 80 anos ou mais, 40% caem a cada ano. Para aqueles que moram em asilos e casas de repouso, a frequência de quedas é de 50%. A jaqueta torna-se assim uma aliada no atendimento a estes incidentes.

Trabalho em equipe – Para o desenvolvimento das peças, Fabieli Breier teve orientação técnica da professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar, coordenadora do projeto de pesquisa “A moda é para todos: estudo dos princípios do Desenho Universal aplicados ao vestuário”.

A estudante contou ainda com o apoio e orientação quanto à parte tecnológica do professor do curso de Engenharia de Controle e Automação da UFSC Blumenau, Leonardo Mejia Rincon, e do acadêmico Christian Mailer, que aplicou sucessivos testes para verificar a viabilidade e a confiabilidade da tecnologia, montou os dispositivos eletrônicos, executou a programação e elaborou o layout do aplicativo.

Fusão entre tecnologia e arte – O público pode prestigiar o resultado de todo esse trabalho durante o desfile do Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva. Fabieli participou da sexta edição do evento, realizada no dia 28 de novembro de 2018, em Florianópolis-SC.

Quanto à linguagem estética, a coleção inclusiva foi inspirada nas obras de Gonçalo Borges e na tendência artsy de inverno 2019, que faz alusão à comunicação de diferentes artes visuais e diversas obras de artistas. Gonçalo é professor, palestrante e artista visual inclusivo. Pinta suas obras com a boca e com os pés. Atualmente é membro da Associação de Pintores de Bocas e Pés (APBP).

A tela “Minha Palhaça”, pintada com a boca pelo artista, foi uma das escolhidas para a coleção. A imagem foi estampada em um colete e transpassa um ar jovial ao utilizar a peça, transmitidas pelas cores vibrantes presentes na obra. Outra tela utilizada foi “Palhaças”, que representa o afeto entre mãe e filha.

Veja como funciona o dispositivo 

Galeria

(Camila Collato/COMICOM UFSC Blumenau, com informações e fotos Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar)

Tags: artedeficiênciadesignengenhariaidososinclusãomodaprevençãosaúdetecnologiatextil

Licenciandos participam de atividades sobre acessibilidade no campus

20/11/2017 22:42

Há quem diga que o melhor aprendizado vem da experiência. Essa afirmação ganhou sentido ainda maior para os estudantes das Licenciaturas em Química e Matemática do campus Blumenau, nos dias 26/10 e 09/11. A professora Fabiana Schmitt Corrêa, que ministra a disciplina de Educação Especial, promoveu uma atividade para que os estudantes percebam as barreiras arquitetônicas que se colocam aos deficientes físicos e visuais no campus.

Para isso as turmas exploraram os blocos A e B da Sede Acadêmica utilizando vendas, bengalas, andadores, cadeira de rodas e muletas. Eles adentraram salas, secretarias, biblioteca e utilizaram equipamentos como os elevadores. Os estudantes puderam observar dificuldades de locomoção, a falta de espaço para mobilidade da cadeira de rodas e de referências táteis e sonoras.

“Esta ação promoveu um exercício de empatia e oportunidade de revisão de concepções, desconstrução de preconceitos a respeito da pessoa com deficiência, destacando a mobilidade e acesso das pessoas com deficiência visuais e físicas. Espero que a partir dessa ação, os alunos licenciandos reflitam sobre o direito da pessoa com deficiência, de acessibilidade, de equidade e de inclusão” avaliou a docente.

Fabiana agradeceu ainda à FURB e à ABLUDEF que contribuíram para a realização dessa experiência, cedendo os equipamentos como cadeira de rodas, bengalas, andador e muletas.

Opinião de quem participou

"Foram atividades de empatia. Com base nas nossas próprias suposições e impressões, tentamos compreender os desafios impostos às pessoas com deficiência física ou visual no dia a dia da instituição, além de refletir sobre a melhor forma de ajudá-las em situações de dificuldade.

Em alguns minutos, encontramos diversos obstáculos que podem dificultar ou impossibilitar a mobilidade dentro do campus: não há audiodescrição nos elevadores, pisos táteis nos corredores, nem placas ou mapas de localização em braile para maior independência da pessoa com deficiência visual. De forma análoga, alguns dos livros da biblioteca estavam dispostos em prateleiras a alturas inacessíveis para pessoas em cadeiras de rodas e os banheiros, classificados como adaptados, eram de difícil utilização e estavam ocupados enquanto banheiros comuns estavam livres. Além disso, não há rampas de acesso ao bloco B nem na saída de emergência, limitando o direito de ir e vir de pessoas com deficiências físicas.

O mais surpreendente foi perceber que o problema não estava na nossa maior ou menor limitação fisiológica, mas na consciência de o ambiente que nos cercava estava despreparado para atender às nossas necessidades e que as pessoas se sentiam desconfortáveis para se aproximar e prestar auxílio."

* Morgana Aline Voigt, Licencianda em Química

Fotos

 

(Comunicação UFSC Blumenau, com informações da docente)

Tags: acessibilidadeacessocegodeficiênciaeducaçãoespeciallicenciaturasurdez

UFSC Blumenau integra programação do “Setembro Branco da Inclusão”

11/09/2017 14:00

(atualizada em 11/9/17, às 14h42)

A UFSC Blumenau integra a programação do Setembro Branco da Inclusão, promovido pela Prefeitura de Blumenau, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social (Semudes) e Rede de Inclusão. O calendário prevê diversas atividades para diferentes olhares para a inclusão da pessoa com deficiência. A ação tem o apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comped).

Instituído pela Lei Municipal Nº. 8.396, o Setembro Branco da Inclusão, teve início no dia 1º com a pintura da Ponte Desembargador João Pedro da Silva, na Rua 15 de Novembro. No dia 02, entidades que trabalham com a inclusão da pessoa com deficiência participaram do Desfile de Aniversário dos 167 anos de Blumenau. O encerramento das atividades alusivas ao mês será no dia 23/9, "Dia D" de Ações Inclusivas com o Feirão de Empregabilidade, que reunirá mais de 40 empresas dos mais variados setores, como indústria e bancos, oferecendo vagas e oportunidades de qualificação para os participantes.

Na UFSC Blumenau serão quatro momentos para ampliar e discutir ações e contextos de inclusão. Nos dias 15 e 22 de setembro serão realizados cinedebates com os filmes Colegas e Intocáveis, rodas de conversação e atividades culturais em LIBRAS e outros idiomas. Já no dia 16/9, haverá uma apresentação cultural com o tema "Inclusão da pessoa com deficiência no contexto educacional", além de uma mesa redonda e o lançamento do livro a.C., d.C. - antes da Carolina, depois da Carolina, de Mário Cézar da Silveira.  No dia 19/9, uma mesa redonda dará espaço para a discussão do tema "sexualidade e deficiência". Veja abaixo a programação completa e participe.

 

(UFSC Blumenau/com informações Prefeitura de Blumenau)

Tags: acessibilidadedeficiênciainclusãoinclusivoredesetembro