Pós-graduação em Engenharia Têxtil e Sebrae/SC promovem simpósio sobre Transferência de Tecnologia e Propriedade Intelectual

16/09/2019 18:47

O Programa de Pós-graduação em Engenharia Têxtil (PGETEX/UFSC) e o Sebrae/SC promovem, no dia 11 de outubro, o simpósio  Transferência de Tecnologia e Propriedade Intelectual no auditório do Campus Blumenau da UFSC. O evento contará com a presença da  participação da pesquisadora Liane Elizabeth Caldeira Lage, Diretora de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). A abertura será realizada às 8h30min, no auditório da Sede Acadêmica.

A programação será dividida em três etapas, entre palestra, debates sobre questões-chave com a participação de moderador e elaboração de sínteses em grupo. O simpósio é gratuito e tem como público-alvo professores, coordenadores de curso, diretores e gestores de universidades, incubadoras, empresários e demais interessados na região de Blumenau. Os participantes terão direito a certificado emitido pelo Sebrae/SC.

Mais informações e inscrições no site: pgetex.blumenau.ufsc.br

(Camila Collato/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau, com informações PGETEX/UFSC)

Tags: empreendedorismoengenhariapatentepós-graduaçãopropriedadesimpósiotextilufsc

Intercambista alemã apresenta resultado de projeto têxtil nesta sexta-feira (13/9)

09/09/2019 09:39

(Atualizado em 09/09/2019, às 17h14min)

A aluna Anika Egelkamp apresentará nesta sexta-feira, 13 de setembro, o resultado de seu projeto desenvolvido no curso de Engenharia Têxtil do Campus Blumenau da UFSC. A apresentação acontece às 10h, na sala A305, da Sede Acadêmica (Bloco A, 3º andar), e é aberta ao público em geral.

Anika é aluna da Hochschule Niederrhein Mönchengladbach - University of Applied Sciences (Alemanha), e está na UFSC Blumenau desde abril deste ano. Durante esse tempo, desenvolveu uma coleção de moda praia, com uso de tingimentos naturais (técnica de botanical printing) sob orientação da professora Catia Rosana Lange de Aguiar.

Para saber mais sobre o projeto, clique aqui e leia a entrevista com Anika.

(Daiana Martini/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau)

Tags: engenhariaintercâmbioprojetotextil

Estudantes da UFSC Blumenau são selecionados em concurso para elaboração do novo fardamento da PMSC

16/08/2019 12:36

Os estudantes do curso de Engenharia Têxtil da UFSC Blumenau Keyla Cristina Bicalho e Victor Fischer Missfeld foram selecionados para compor a equipe que irá desenvolver o novo fardamento da Polícia militar de Santa Catarina (PMSC). O concurso "Operação Novo Fardamento", promovido pelo Santa Catarina Moda e Cultura (SCMC), escolheu treze estudantes e egressos de diferentes instituições de ensino superior do estado com base em uma análise criteriosa de portfólios enviados por meio da plataforma Behance.

Os membros da equipe atuarão de forma colaborativa para cocriar, apresentando soluções inovadoras e criativas. Também receberão capacitação para o desenvolvimento do projeto por parte do SCMC e das empresas associadas. A assessoria para a elaboração de protótipos e tecnologia específica, será realizada pelo Thomzen Bureau Creátive, consultoria em pesquisa e criação de moda. Os participantes serão divididos em equipes: Técnica de Engenharia Têxtil, Identidade Visual e Desenvolvimento de Produto.

O objetivo da “Operação Novo Fardamento” é modernizar o uniforme atual da corporação que, embora tenha passado por mudanças, ainda segue a modelagem da década de 1960. O compromisso é o de preservar a identidade visual e garantir o bem-estar do policial, além de romper barreiras para aproximar ainda mais a entidade da comunidade. A criação será guiada por quatro pilares: identidade visual, tecnologia, conforto e design. A ideia é que a entrega final do protótipo, ficha técnica e modelagem 4D à PMSC seja entregue até 31 de outubro.

(Camila Collato/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau , com informações SCMC)

 

Tags: concursoengenhariaSCMCtextilufsc

UFSC Blumenau realiza doação de almofadas à Rede Feminina de Combate ao Câncer

15/08/2019 16:09

Moldes das almofadas são disponibilizados online para incentivar sua produção - clique aqui

Aproveitar resíduos têxteis para criar novos produtos já é um trabalho bem interessante, né? Evita o descarte desses materiais no meio ambiente e contribui para a sustentabilidade do planeta. Imagina então se esse novo produto for algo para levar um pouco de conforto a pacientes com câncer de mama em tratamento?

Essa foi a ideia da estudante Adriana Eidt, bolsista voluntária do projeto de extensão “O lixo que vira luxo: utilização de retraços têxteis para elaboração de novos produtos”, coordenado pela professora Grazyella Cristina Oliveira de Aguiar. Juntas, elas confeccionaram 25 almofadas em formato de coração que foram doadas à Rede Feminina de Combate ao Câncer de Blumenau na última quarta-feira, 14 de agosto.

Adriana conta que a ação foi inspirada na campanha “Doe um coração e ajude mulheres com câncer de mama”, criada pela designer Carol Viana. No site eduK, plataforma de cursos on-line, ela ensina como confeccionar almofadas em formato de coração para ajudar mulheres que se recuperam da mastectomia, que é a cirurgia de retirada da mama. “Achei super bacana, pois minha mãe tem câncer há 25 anos e sempre fico atenta nos projetos que surgem sobre a temática”, conta a estudante.

As peças foram confeccionadas no Laboratório de Desenvolvimento de Produtos Têxteis (LDPT) da UFSC Blumenau, utilizando resíduos têxteis doados por empresas da região. “O objetivo da almofada é dar um pouco de conforto e carinho para as pacientes que estão passando pelo tratamento”, explica a professora Grazyella. A almofada é uma importante aliada das pacientes no período pós-operatório, principalmente para dormir, facilitando o posicionamento do braço da maneira correta, o que minimiza as dores musculares.

A RFCC de Blumenau contabiliza mais de 260 mil atendimentos e 87 mil pacientes cadastradas

Adriana foi aluna do curso de Engenharia Têxtil do Campus Blumenau em 2018. Atualmente está concluindo o curso de Antropologia, no Campus Florianópolis da UFSC. “Já estou no TCC, e posteriormente pretendo voltar para a Engenharia Têxtil. Pra mim foi uma grande satisfação, pois sei como é importante para essas mulheres terem algum apoio na doença, o mínimo que seja. Mais pra frente queremos fazer mais corações, movimentar outros estudantes voluntários e escrever bilhetinhos para entregar às pacientes junto com o coração”, revela a estudante.

Saiba mais

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o tipo da doença mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Ele é causado pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor.

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim a possibilidade de tratamentos menos agressivos e com taxas de sucesso satisfatórias. Caso a doença seja diagnosticada na fase inicial, a chance de cura é superior a 90%, por isso a necessidade frequente de fazer o autoexame e realizar a mamografia. A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) é que as mulheres façam o exame a partir dos 40 anos de idade. Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a faixa dos 50 aos 69 anos é definida como público prioritário para a realização da mamografia, segundo normas da Organização Mundial da Saúde (OMS), seguidas pelo Ministério da Saúde.

(Daiana Martini/Comitê de Comunicação UFSC Blumenau, com informações Grazyella Aguiar e Inca)

Tags: blumenaucâncerengenhariaExtensãorede femininasaúdetextilufsc

Estudante de Engenheira Têxtil da UFSC vence prêmio na área e participará de estágio em universidade espanhola

03/06/2019 15:28

Jéssica Jenifer Sornas

Jéssica Jenifer Sornas, 25 anos, formanda 2019/1 pela Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Blumenau é a vencedora do Prêmio Sinditêxtil-SP Profissional do Futuro. O concurso irá levar a engenheira têxtil para um estágio na conceituada Universidade Politécnica de Catalunya (UPC), na Espanha e promover uma visita guiada na maior feira de máquinas têxteis do mundo, a ITMA.

O Prêmio é uma iniciativa para fortalecer a imagem do setor têxtil como portador de futuro, incentivar e atrair estudantes para a área, além de apoiar e reconhecer talentos genuínos. Nesta primeira edição do Prêmio, os professores selecionaram de um a dois recém-formados ou do último ano, em seis faculdades de engenharia têxtil ou similar, de quatro estados brasileiros.

O setor têxtil, especialmente o desenvolvimento e produção de insumos (fios, fibras, tecidos) é altamente tecnológico. Tecidos inteligentes, tecidos técnicos, beneficiamentos que agregam tratamentos, além de wearables, necessitam de profissionais muito qualificados” declara Luiz Arthur Pacheco, presidente do Sinditêxtil.

A ganhadora passará por estágio de um mês na UPC, campus de Terrassa, onde terá a oportunidade de conhecer as mais avançadas tecnologias para soluções de processos e desenvolvimento de produtos, com enfoque em sustentabilidade e tratamento de resíduos. “Desde os nove anos de idade sempre quis ser engenheira, não especificamente têxtil, mas quando comecei a conhecer a grandeza desse mundo, me apaixonei. Estou muito feliz e orgulhosa. Esse resultado demonstra a qualidade do curso de Engenharia Têxtil da UFSC”, afirma Jéssica.

Prêmio Profissional do Futuro conta com o apoio de várias empresas que entendem nesta ação um incentivo do setor têxtil para que jovens continuem a buscar conhecimento e formação na área, que é muito promissora. As patrocinadoras do Prêmio Sinditêxtil-SP são: AdatexAssociação Brasileira dos Técnicos Têxteis (ABTT), Castanhal, Fios Têxteis H Marin, Golden TechnologyParamount TêxteisPerfeito Acessórios de ModaSantista Workwear.

  • Saiba mais sobre o Prêmio Sinditêxtil-SP Profissional do Futuro no site da iniciativa.

Sobre o Sinditêxtil-SP

Fundado na década de 30, o Sinditêxtil-SP tem como principal missão coordenar, fortalecer e representar legalmente a Cadeia Produtiva Têxtil; do cultivo do algodão, matérias-primas sintéticas, fibras têxteis, fiações, até tecelagens, tinturarias e estamparias, no Estado de São Paulo.

Sobre a Universidade Politécnica de Catalunya

Fundada em 1971, a Universidade Politécnica de Catalunya tem como especialidade cursos em engenharia e busca excelência em seus estudos, para isso conta com convênios com instituições educações e Entidades de vários países.  A UPC possui uma estrutura com mais de 30 mil alunos, 20 centros docentes, 52 patentes registradas por ano e 234 programas de formação permanente.

(Fonte: Assessoria do Sinditêxtil-SP/Ligia Santos)

Tags: engenhariaprêmiotextil